CNDL comemora sua história olhando para o futuro

Com tecnologia e apreço pela sua história, Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas celebra 60 anos de contribuição para o varejo

Nesta quarta-feira (21), a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) vai celebrar seus 60 anos de existência. O evento será transmitido ao vivo de Belo Horizonte, a partir das 19h, pelos canais da CNDL no Youtube e Facebook. O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, participará da cerimônia, que contará ainda com a presença virtual de governadores, ministros e autoridades de todo o país.

Os planos de uma grande festa presencial foram suspensos por conta dos protocolos de segurança da pandemia da Covid-19. Ainda assim, espera-se uma bela cerimônia que vai relembrar os momentos marcantes da mais importante entidade representativa do comércio e serviço do Brasil.

Criada em outubro de 1960, a CNDL nasceu para defender os interesses de um setor que ao longo dos anos criou corpo e ganhou em importância significativa na economia nacional. Hoje, calcula-se que ela seja responsável por 76% do PIB nacional e por 17 milhões de trabalhadores com carteira assinada.

A Confederação é composta por duas mil entidades autônomas, as chamadas Câmaras de Diretores Lojistas (CDLs), que juntas reúnem 500 mil empresas em 1,4 milhão de pontos de venda, e são responsáveis por 5% do PIB nacional, algo como R$ 340 bilhões por ano e cinco milhões de empregos formais.

“A ideia desse evento é homenagear essa instituição que tanto fez pelo varejo e que, ao longo dos anos, acabou ganhando uma importância que a coloca entre os atores das grandes decisões nacionais”, explica o presidente da CNDL, José César da Costa. “Essa é a hora relembrar de onde viemos e o que nos tornamos. Sabemos que hoje bandeiras importantes são compartilhadas por grande parte da população e temos um papel importante nessa conscientização”, diz o presidente da CNDL.

Reunião do PP 4.0 realizado no Piauí em abril. De branco, o deputado Efraim Filho“Projeto desperta a importância de se organizar uma agenda que fale de empreendedorismo”.

Ações de desenvolvimento do varejo
Se nas primeiras décadas da sua história a CNDL se preocupava em expandir o número de associados, hoje ela busca consolidar e modernizar a rede que integra o seu sistema. “A atuação da CNDL no território nacional possibilita que varejistas de todos os estados da Federação tenham voz na luta pelas causas do setor”, diz o presidente da CDL-DF, José Carlos Magalhães Pinto.

Um exemplo desse trabalho é o projeto Políticas Públicas 4.0, convênio técnico-financeiro celebrado entre a CNDL e o Sebrae Nacional que leva qualificação às lideranças do varejo de todo o Brasil. Com um orçamento de R$ 3,7 milhões para ser executado ao longo de dois anos, o PP 4.0 oferece competência nas áreas de Relações Institucionais e Governamentais, encontros para fomento ao desenvolvimento local e regional, além de encontros para mobilização empresarial.

“Essa ação do PP 4.0, que tem rodado todo o país, é importante para aproximar nossas instituições do poder público. É fundamental que a gente mantenha uma relação institucional com os governantes, tanto para o nosso setor como para a administração pública”, diz o presidente da FCDL-PB, José Lopes da Silva Neto. “Nós somos também atores essenciais na construção da boa política. Esse encontro do PP 4.0 nos ajuda a estreitar esses laços para a construção de políticas públicas eficazes”, afirma Silva Neto.

Desde 2019, o PP 4.0 já fez 28 ações em 17 estados e capacitou mais de três mil lideranças lojistas e é visto com simpatia e por político de peso, como deputado federal Efraim Filho, que também é presidente da Frente Parlamentar Mista em Defesa do Comércio e Serviço. “O PP 4.0 desperta na comunidade local e nos municípios a importância de se organizar com uma agenda que fale de empreendedorismo”, diz.

O presidente da CNDL, José César da Costa, e o presidente da NRF, Matt Shay.

Entidade do seu tempo
Se internamente a CNDL trabalha para o desenvolvimento político e institucional dos seus associados é porque existe um olhar da entidade para o que há de mais moderno no campo do varejo. Há décadas que a entidade visita as edições anuais da NRF, a maior feira do varejo do mundo, realizada todos os anos em Nova York. É de lá que partem ideias de organização e gestão que mais tarde são aplicadas pelos varejistas.

As comitivas da CNDL já são tradicionais e esperadas pela organização do evento. Desde 1998 a entidade faz parte da Federação das Associações Internacionais de Varejo (FIRA), uma associação que conta com 40 associações, de 24 países, dos seis continentes que, juntas, discutem as principais questões relacionadas ao varejo no mundo.

“A CNDL é um membro ativo e importante da NRF. Sempre é um prazer trabalhar com eles”, diz Matt Shay, presidente e CEO da Federação Nacional do Varejo (NRF). Matt diz que considera importante o apoio que recebe da CNDL e que reconhece o trabalho das missões da instituição em Nova York. “Somos muito orgulhosos de ajudar a CNDL a promover a crescente e diversificada indústria de varejo no Brasil. Eles merecem os parabéns pelos 60 anos”, diz.

É desses encontros que a Confederação prepara relatórios, organiza reuniões, produz material e realiza eventos internos para compartilhar conhecimento com seus associados, que recebem as mais avançadas técnicas de gestão e inovações na área de venda, marketing e tecnologia.

 “Realmente, temos na NRF um evento preferencial em nosso calendário”, diz José César. “É ali que nos abastecemos das novidades e criamos impulsos para grandes avanços do nosso setor no Brasil”, diz.

Estúdio da CNDL: tecnologioa e corpo técnico qualififcado a serviço do varejo

O futuro bate à porta
Esse know how internacional pôde ser percebido em 2020, quando o comércio e o serviço tiveram que se reinventar para não sucumbirem. Com tantas restrições impostas pelo isolamento social e pelas medidas de contenção do Coronavírus, a CNDL teve se organizar para manter seu sistema unido e informado.

“Antes mesmo da pandemia, nós da CNDL já estávamos nos preparando para trabalhar de forma on-line”, conta José César. “Nós temos tecnologia para falar diretamente com os nossos associados. Então essa pandemia, para nós, teve um sentido contrário. Crescemos mais, nos aproximar mais e interagir mais”, diz o presidente.

Isso foi visto quando a CNDL utilizou um sistema sofisticado de comunicação, que inclui, além das redes sociais, um conjunto composto por equipe especializada e equipamento de ponta, como um estúdio próprio no qual são preparados comunicados e programas de interesse da instituição.

“Ao longo da pandemia, a CNDL usou os seus recursos para manter o sisitema ativo. Hoje transformamos completamente nosso modelo de gestão para viver essa nova forma de ver mundo”, diz José César.

O presidente da CNDL. José César da Costa, o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, e o presidente da CDL-DF, José Carlos Magalhães Pinto. Projeto audacioso para a memória do Varejo.

Projetos
Do auge dos 60 anos, a entidade já traça os próximos passos. Um deles é a construção de um memorial que guardará a história e a importância do setor varejista na história do Brasil. “Temos um projeto ambicioso em Brasília. Conseguimos a proposta de cessão de um terreno e nós queremos fazer o grande Memorial do Varejo, um marco para todo o sistema”, revela José César.

A ideia já foi compartilhada e aceita pelo Governador de Brasília, Ibaneis Rocha, e a CNDL já possui um projeto inicial do edifício. “Pretendemos ter um memorial com muita tecnologia, mas que contenha um olhar para a história do comércio no Brasil, que começa desde o seu descobrimento”, explica o presidente.

Enquanto o museu não chega, a CNDL iniciou um projeto de recuperação da própria memória. Desde o início do ano, a entidade trabalha com historiadores para recuperar material iconográfico, documentos e a recuperação da história oral da entidade. Além da utilização do material que a entidade já possui, os pesquisadores mergulharam nos arquivos dos estados, institutos históricos e centros de documentação de periódicos. A pesquisa começou em fevereiro e chegará à primeira parte do programa com a publicação de um livro sobre a entidade.

Paralelo a isso, foi encomendado um projeto de gestão de memória, um protocolo de guarda de docuemntos e imagens que propiciará às futuras gerações informações importatnes sobre a CNDL. “Nós, representantes da CNDL, temos muita vontade, coragem e projetos. Uma vez fizemos um discurso que falava assim: “o homem pensa, Deus quer, a obra aparece”. Então é nesse objetivo que a gente caminha e pensa”, conta José César. “Nós temos que idealizar sonhos, sonhar todos os dias”, encerra o presidente.

Fonte: Revista Varejo S.A

Comentários