Dicas para usar com consciência seu 13º salário

Organize-se financeiramente para, depois, realizar os seus desejos e sonhos!

O fim de ano chegou e, com ele, o pagamento do 13º salário. O dinheiro extra desperta euforia e um desejo grande de utilizá-lo para pagar viagens ou comprar bens tão desejados, como um celular novo ou algum item para a casa. Mas antes de gastar toda a grana, é importante avaliar a situação financeira individual e familiar.

Primeiro, porque se você estiver endividado, estará pagando juros, ou seja, perdendo dinheiro mês a mês. Logo, a quitação das dívidas deve sempre ser prioridade com a chegada de um dinheiro extra. Um levantamento da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) revelou que 64,7% do total de famílias pesquisadas estavam endividadas em outubro passado.

Somente quando estiver no azul, é hora de pensar em poupar para o futuro e para realizar os sonhos. “O recebimento do 13º é uma oportunidade não só de arrumar as contas, mas de aumentar ou iniciar uma reserva, seja para realização de sonhos, seja para pavimentar o futuro”, explica José Vignoli, educador financeiro do SPC Brasil.

Quer saber mais? Confira, abaixo, 4 usos inteligentes para fazer com seu salário extra:

1. Renegociar as dívidas

Agora é hora de renegociar o que deve. Liste tudo por ordem crescente de juros. A prioridade deve ser quitar as dívidas com juros altos, especialmente com cartões de crédito e cheque especial, vilões presentes na maioria das vezes quando se está endividado, devido à facilidade da tomada de crédito.

A negociação da dívida pode proporcionar um bom desconto – é possível conseguir desconto de até 90% quando se tem o dinheiro na mão para pagar à vista. No Feirão Nacional SPC: Pague suas dívidas e recupere o seu crédito, que acontece até o dia 15 de dezembro, você pode fazer tudo online. Basta se cadstrar, colocar seu CPF e verificar seus débitos em aberto. A partir daí, basta fazer a negociação. O pagamento também é online, por boleto bancário.

Utilizar parte ou todo o 13º para quitar ou negociar dívidas pode ser frustrante em um primeiro momento, mas lembre-se: o ato trará ganhos futuros, principalmente em relação à sua conscientização de gastos.  “O dinheiro extra pode ser uma boa chance de começar o ano com as contas em dia e sem dores de cabeça. Mas é importante que a lição fique para a execução do orçamento no próximo ano. Educar-se financeiramente não é deixar de comprar presentes e fazer uma ceia, mas planejar-se, pesquisar preços e escolher lembranças criativas que estejam dentro do seu orçamento”, ensina Vignoli.

Como funciona a negociação de dívidas?

2. Criar uma reserva de emergência e pensar no futuro!

É possível investir com pouco dinheiro e, progressivamente, aumentar o valor principal por meio de aplicações mensais ou periódicas e, claro, com juros sobre juros. Então, que tal começar agora, guardando seu 13º salário? Tente acumular pelo menos 50% dele em um investimento conservador, como Tesouro Direto. Para isso, será necessário abrir conta em uma corretora de valores. Mas não se preocupe: tudo é feito online e bem rápido.

Como fazer um planejamento financeiro?

3. Planejar-se para as despesas do início do ano

Janeiro é o mês marcado por diversas despesas: material escolar, matrícula em colégio e cursos, IPVA, IPTU. Um bom uso para o 13º é guardá-lo para esses pagamentos. Assim, você evita parcelamentos que comprometem sua renda durante o ano.

4. Presentear(-se)

Se você já está equilibrado financeiramente, já fez o seu planejamento financeiro para 2020 e tem uma reserva financeira, que tal usar a grana extra com você ou com as pessoas que você ama? Desde que não haja excessos e essa compra não se transforme em parcelamentos perigosos, este também é um bom uso para seu 13º salário. Só não se esqueça de definir um limite de gastos para não perder o controle, hein?

Aproveite também para tentar o máximo de descontos que puder. Com dinheiro em mãos, é possível poupar bastante nas compras.

Fonte: https://meubolsofeliz.com.br/como-usar-com-consciencia-o-13-salario/
Autor: SPC Brasil

Comentários