Notícias

Daniel Alves admite que o Barcelona 'perdeu a fome' e vê Messi cabisbaixo

Antes de enfrentar o Milan, lateral cobra grupo unido para se classificar às quartas de final da Champions e diz que ausência de Tito não é desculpa

Daniel Alves não teve problema de encarar a verdade. Às vésperas da partida contra o Milan, que poderá selar a eliminação do Barcelonaainda nas oitavas de final da Liga dos Campeões, nesta terça-feira, o lateral-direito concedeu duas entrevistas em que admitiu alguns problemas no clube. Um deles a falta de ambição após a saída de Josep Guardiola na última temporada.

- Penso que nós perdemos a magia, senão a intensidade que nos tornou diferente do resto, essa fome com que pressionávamos o rival quando perdíamos a bola. Concretamente, perdemos a fome de querer comer o rival. Essa gana que antes tínhamos, agora não se nota, e isso se contagia. As coisas boas se contagiam e as não tão boas também. Devemos recuperar tudo isso, e estamos trabalhando. Mas além do que dizem ou pensam, o trabalho vai nos permitir recuperar - disse ao jornal espanhol "El Mundo".

Messi abaixo do normal

O rendimento abaixo do esperado principalmente nos jogos decisivos de Lionel Messi também foi assunto. O brasileiro vê o argentino cabisbaixo.

- No dia a dia vejo Messi normal, bem. Mas não sou hipócrita, não disfarço as coisas. É evidente que nos últimos jogos esteve abaixo emocionalmente. Por que? Não sei, não busquei saber. Só quero saber o que lhe interessa compartilhar. E se alguém não se interessa a compartilhar sua vida e o que vive, quem sou eu para perguntar? Respeito o seu espaço. Mas notei que estava um pouco mais cabisbaixo do que o normal. Penso que o que o diferencia dos demais é que tem muita personalidade e quando se equivoca, volta a insistir.Para o site oficial da Uefa, o confronto desta terça, às 16h45m (de Brasília), no Camp Nou foi um dos temas mais abordados. Dani Alves cobrou do grupo mais união para conseguir reagir diante da derrota por 2 a 0 na Itália.

Se jogarmos ao nosso nível, vamos ter muitas oportunidades. Temos jogadores espectaculares, por isso julgo que esta eliminatória só vai ficar decidida quando o árbitro apitar pela última vez. O desejo de desfrutar disto é muito grande, e os grandes desafios são para as grandes equipes. Vamos ver em que ponto ficamos no final – se somos realmente o time que é respeitado mundialmente, ou se não conseguimos chegar a esse nível. Estamos muito confiantes na nossa equipe e nos jogadores que temos - contou, pedindo uma abordagem mais "à la Barcelona".

- Jogamos a um ritmo diferente de todos os outros. Quando atingimos o nosso nível nos tornamos realmente grandes, mas quando isso não acontece somos uma equipe normal. Por isso tudo depende de nós, e se abordamos o jogo da forma certa ou errada, como aconteceu na Itália. Se isso voltar a acontecer, seremos eliminados - mas se marcharmos juntos, temos uma chance.

'Precisamos do nosso treinador'

Sobre a ausência de Tito Vilanova, que segue em Nova York ainda em tratamento de um tumor na glândula parótida, o brasileiro afirmou que o grupo sente sua falta.