Notícias

Cerca de 80% dos semirreboques estão irregulares em Cacoal

Em Cacoal e Ministro Andreazza, cidades de Rondônia, as motocicletas e motonetas que utilizam semirreboques vão ter que se adequar às normas de segurança no trânsito. Para fazer cumprir a resolução nº 273, de 04 de abril de 2008, que regulamenta a utilização dos equipamentos (carretinhas) por motocicletas e motonetas, a Polícia Militar de Cacoal realiza blitzes para orientar condutores sobre a situação desses veículos. De acordo com o comandante do Pelotão de Trânsito do município, cerca de 80% dos veículos estão irregulares.

A lei, que já está em vigor em todo país há seis anos, só começará a ser fiscalizada a partir do dia 31 de março. “A lei nunca foi fiscalizada nesses municípios, mas a partir desta data [31] as blitzes terão caráter repressivo” afirma o comandante do Pelotão Vanderlei Rosa Pereira.

Ele explica que antes de transitar pelas ruas, o reboque deve ser registrado e licenciado no Departamento de Trânsito (Detran), recebendo emplacamento e Certificado de Registro e Licenciamento de Veículos (CRLV). Apesar de não ser preciso pagar IPVA ou Seguro Obrigatório (DPVAT), a Taxa de Licenciamento da carretinha deve ser paga anualmente. Pereira também explicou que os equipamentos devem passar por vistoria junto ao Detran.

“Os semirreboques poderão ser instalados em motocicletas ou motonetas com motor acima de 125 cilindradas, porém, eles precisam ser projetados para uso exclusivo em motocicletas e devem ser homologados pelo Departamento Nacional de Trânsito [Denatran]”, diz o comandante.

Além da regularização no Detran, os semirreboques devem estar equipados com para-choque, lanternas traseiras, protetores de rodas, freio de serviço, iluminação de placa traseira, lanternas de seta indicativa, pneus que ofereçam condições de segurança e elementos refletivos nas laterais e traseira.

Os proprietários ainda precisam apresentar aos órgãos competentes informações a respeito a capacidade de tração de veículo, que devem constar no campo de observação do CRVL.  Segundo o comandante da PM, o condutor flagrado em situação irregular poderá ter o reboque apreendido, pagar multa, e perder sete pontos na Carteira Nacional de Habilitação. A multa pode variar de R$ 127,69, a R$ 191,54.

O agricultor Valter Antônio Pereira utiliza o semirreboque para transportar mercadoria e não conhecia a resolução. Para ele, há pouco tempo para regularizar o veículo. “Desse jeito vou ter que parar de trabalhar, porque não tenho outro meio de trazer minhas mercadorias. Trabalho com essa carretinha há 10 anos e não tenho como comprar outra”, conta o agricultor.

De acordo com o comandante, a resolução traz outro agravante. Nenhuma empresa em Cacoal fabrica semirreboques de acordo com as normas.



Texto e Foto: Fernanda Bonilha - G1