Notícias

Metade da população ativa recebe pagamento em dinheiro, diz BC

Cerca de metade da população economicamente ativa do Brasil (51%) recebe o pagamento em dinheiro, principalmente os mais jovens e os menos favorecidos, revela pesquisa feita pelo Banco Central em abril e maio de 2013 com 1.012 pessoas de todo o país.

Entre os que recebem com depósito em conta, a maioria faz a retirada no caixa eletrônico, especialmente classes "A" e "B". O levantamento, divulgado nesta quarta-feira (2) pela autoridade monetária, foi chamado de "O brasileiro e sua relação com o dinheiro".

Posse de cartões caiu nos últimos três anos

"Nos últimos três anos, houve decrescimento [queda] na posse de itens financeiros como cheque e cartões de débito e crédito", acrescentou a autoridade monetária. Em 2010, 43% dos entrevistados informaram ter cartão de débito e crédito, percentual que recuou, respectivamente, para 35% e 39% no ano passado - quando foi conduzido o levantamento. Já os entrevistados que responderam ter cheque passaram de 14% para 7% nesta comparação.

Meios de pagamento mais utilizados

De acordo com os dados, o dinheiro continua sendo a forma de pagamento mais usada pela população (78% em 2013, contra 72% em 2010). Entretanto, no comparativo dos dois levantamentos, verifica-se decrescimento no uso do cartão de débito (caiu de 14% em 2010 para 9% no ano passado) e cartão de crédito, que passou de 13% para 12% nesta comparação.

"O uso de dinheiro é menos frequente nas compras de super/hipermercados, eletrodomésticos e roupas e calçados. Para estes produtos o cartão de crédito ou débito estão mais presentes, especialmente nas classes A e B", informou o Banco Central, com base no levantamento.

O BC acrescentou que, para os valores acima de R$ 50, mais de dois terços (66%) da população utiliza também outras formas de pagamento, principalmente cartão de crédito. "Nas classes AB o uso de outros meios em pagamentos de maior valor é destacadamente maior", informou o BC.

Onde guarda o dinheiro?

Segundo a pesquisa do Banco Central, a maioria dos entrevistados (57%) informou que ainda utiliza a carteira, especialmente os homens, percentual menor do que o registrado em 2010 (61%). Entretanto, aumentou o percentual de pessoas que utilizam outros locais de transporte, como o bolso da calça, que subiu de 24% em 2010 para 38% no ano passado, ou em "compartimentos dentro da bolsa", que avançou de 7% para 15%, ou até mesmo "solto dentro da bolsa" - que passou de 9% para 15% nesta comparação.

Valor que carrega no bolso

Em um dia típico, informou o BC com base no levantamento feito, a população costuma levar em média R$ 54,65. "Quase metade da população (44%) leva diariamente entre R$ 50 e R$ 100", acrescentou a autoridade monetária. Ainda de acordo com o Banco Central, as notas de R$ 5, R$ 10 e R$ 2 são as que a população "mais sente falta quando precisa fazer um pagamento".



Fonte: G1